Chama o Doutor

Tendinite do Glúteo Médio. Entenda o que é e como tratar

A tendinite é um processo patológico normalmente causado por um aumento na demanda (sobreuso) do tendão . Tendinite, tendinopatia e ruptura dos tendões dos músculos glúteos são causas de dor no quadril, sendo com frequência associadas a bursite trocantérica. Três músculos do quadril são denominados glúteos: máximo, médio e mínimo. Os glúteos são os mais exigidos durante a marcha (caminhar) e corridas, sendo responsáveis por manter o equilíbrio da bacia e tronco. O glúteo máximo também tem papel importante na extensão do quadril. Já os músculos glúteos médio e mínimo são conhecidos como abdutores do quadril, desde que abduzam, quando ativados sem apoio da perna.

Apesar da importância destes músculos na marcha e nas atividades físicas, eles são com frequência “esquecidos” nas atividades de reforço muscular. Mesmo atletas profissionais com frequência apresentam fraqueza dos músculos glúteos e não realizam exercícios de reforço. A deficiência funcional destes músculos altera as forças no quadril e sobrecarrega a articulação do quadril e articulações adjacentes.

A tendinite do glúteo médio é mais comum em mulheres (devido ao tamanho da pelve); atletas; pessoas que fazem atividades em planos inclinados e pessoas com discrepância no comprimento dos membros inferiores. Existem alterações cinemáticas do membro inferior, como aumento da adução do quadril e inclinação pélvica contralateral, assim como, hiperativação do mecanismo abdutor superficial (tensor da fáscia lata e fibras superiores do glúteo máximo) aumentam a compressão sobre o tendão do glúteo médio, favorecendo sua lesão.

Essa lesão causa dor na região lateral do quadril (sobre o trocanter do femur) podendo irradiar pela face lateral da perna. Uma outra queixa freqüente é a dor quando deita-se de lado, que piora ao ficar-se muito tempo em pé, ao subir e descer escadas, ao caminhar ou ao correr. Dor lateral no quadril não é exclusividade das lesões tendíneas e bursite trocantérica, podendo ser consequência de problemas intra-articulares, metástases tumorais e outras doenças. Por isso um exame clínico e ortopédico detalhados são necessários. Radiografias são solicitadas para excluir algumas doenças. Ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética podem ser indicadas para confirmar o diagnóstico, descartar outras doenças e guiar o tratamento.

O tratamento conservador com fisioterapia é bem sucedido na maioria dos casos. Já o tratamento cirúrgico é indicado na minoria dos pacientes com sintomas refratários ao tratamento conservador e redução da função. #BrasilRun

Fonte: Fisioterapeuta Parceira Brasil Run – Ricardo Lima – CREFITO-3/ 92564 – Fisioterapeuta do Tênis Clube de Santos – membro da equipe NTF sports. (insta: ricaafisio).

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar o post

Newsletter

Publicidade